Google+ Followers

quinta-feira, 29 de junho de 2017

Menina a tocar violino







A primeira apresentação pública da C. enquanto aprendiz de violino foi no passado dia 16 de junho. Os avós não puderam estar presentes nessa altura devido a compromissos profissionais. Mas no dia 21 a pequena artista foi convidada para uma nova apresentação pública. Aí sim, os avós puderam ouvir boa música e ficarem encantados com aquela menina tão compenetrada a fazer sair de uma pequena caixinha um conjunto de sons mágicos que, acompanhados ao piano, soavam assim:



A letra associada a esta música, na geração atual, é esta:


Twinkle, twinkle, little star

How I wonder what you are

Up above the world so high
Like a diamond in the sky
Twinkle, twinkle little star
How I wonder what you are



When the blazing sun is gone

When he nothing shines upon
Then you show your little light
Twinkle, twinkle, all the night
Twinkle, twinkle, little star
How I wonder what you are


Eu, que sou da geração francófona, aprendi de outro modo:

Quand trois poules s'en vont aux champs
La première va devant
La deuxième suit la première
La troisième vient la dernière
Quand trois poules s'en vont aux champs
La première va devant








Uma duas d'argolinha

LENGALENGA


Uma duas d'argolinha
Põe o pé na pinculinha
O rapaz que jogo faz
Faz o jogo de capão
'Ch'ta cão Manel João
Diz à velha do cordão
que recolha o seu pezinho
Que recolha o seu pezão

Esta lengalenga é do avô. Eu não a conhecia.
Tem as características normais das lengalengas, incluindo aquelas palavras às quais davamos um sentido (ou não davamos nenhum) mesmo que o não tivessem. 
Lendo agora o que não é para ser lido e procurando entender o que é dito, surge-nos a dúvida quanto à palavra "pinculinha", bonita palavra! Diz aquele que foi criança que a "pinculinha" era a pontinha mais alta de um ramo de uma árvore. Diz o agora avô que "piculinha" deve ser uma deturpação de "pincarinha" (derivado de "píncaro"). 

sábado, 17 de junho de 2017

A que sabe a lua?




Há já muito tempo que os animais queriam averiguar a que sabia a lua...

Curiosos, hem???!!! E ousados!! A que saberia a lua??? Logo a lua, tão brilhante, tão longe, tão alto....
Mas que tentação... A que saberia a lua? Saberia a massa de bolo de arroz tão boa? Ou a chocolate? Ou a massinha? A carne? A peixe? A maçã? A banana?

A que saberia a lua?

Mas como, como lá chegar?


Está longe a lua, tão longe....

Mas talvez haja uma maneira de lá chegar e de conseguir prová-la. Haverá?

A tartaruga, vagarosa e resistente, há muito que matutava nisso! Há mesmo muito tempo, que tempo não era o seu problema! E resolveu lançar-se a caminho...
Mas... será que vai conseguir sozinha? Ou será que vai precisar de ajuda? 
Quem mais quererá chegar à lua, tocá-la, cheirá-la, prová-la?

Conseguirá a tartaruga saborear a lua?

Como? Como será isso possível?

Vamos  ouvir a história?

Neste vídeo encontramos a narrativa acompanhada de imagens.





E neste vídeo encontramos as imagens acompanhadas de música.




Quem não percebeu nada disto, e ainda hoje continua a não perceber, é o peixinho!



Bem, há sempre quem não perceba que desejar e alcançar o que se deseja é muito bom! Mesmo que para isso seja preciso muito esforço!
Ora tenta lá peixinho, tenta lá provar essa lua a ver se consegues!! Pois tu, que nem sequer pensaste alguma vez a que saberia lua, como te atreves a julgar aqueles que o desejaram e conseguiram???

Tens muito que aprender, peixinho, tens muito que crescer. Há mais mundo do que aquele que vês refletido nas tuas águas!!!

domingo, 21 de maio de 2017

Onde estão os ovos que estavam dentro do ninho? Resolução da quadratura do círculo

Ou o mistério do mês de maio

«Este é o maio
o maio é este...»

Há 1 ovo.
Há ninho.
Há passarinhos.
Continua a haver flor.



video

Contributo para uma revisão da teoria de Piaget...

Segundo a teoria, o T. está no período pré-operatório, no início da segunda fase. Pensamento intuitivo, querendo com isto dizer, pensamento centrado na percepção imediata, portanto, nada de reversibilidade do pensamento. Egocentrismo intelectual, centração num só aspeto ou ponto de vista... blá, blá, blá...





Pois, só que há assuntos de grande interesse que não podem estar sujeitos às limitações do intelecto. Como o que diz respeito a comida, comidinha boa que é coisa que muito agrada ao T.

Croquetes. Coisa deliciosa. 
Um croquete? Mas o que é isto, avô? 
- «Avô, não vai chegar...»
O avô, homem versado em ruralidades, latinidades e psicologia resolve testar o estádio de desenvolvimento do pequenote. Vai daí, corta o croquete em quatro e pergunta:
«Então T.? Quando é que é mais? Antes ou agora?»
Resposta pronta e fleumática:
«É quando puseres outro.»

sábado, 20 de maio de 2017

Complexo de castração ou o que aconteceu às meninas?


Retirada de https://pt.123rf.com/photo_38817159_desenhos-animados-garotinho-sentado-no-vaso-sanit%C3%A1rio.html
Desta vez, a conversa foi com o T.

Sentado na sanita, ainda num equilíbrio instável, inicia um diálogo que não consigo reproduzir exatamente, mas que vai girando em volta do tempo em que era pequenino (!) e tinha que se sentar no bacio...Pois tão pequenino que até poderia cair dentro da sanita... Até que a conversa chega às meninas...

                                               «As meninas deixaram cair a pilinha na sanita?»

Nota - O T. tem 4 anos e meio.

domingo, 14 de maio de 2017

Domingo à tarde...

Uma hora de música na Gulbenkian com a família...

O T. ainda esteve atento às duas primeiras, mas a C. nem isso... 
Mas o jardim e os patinhos, esses foram encantadores!

Música dos Animais

Concertos de Domingo



Uma das passagens musicais mais imediatamente reconhecíveis de Rimsky-Korsakov, O voo do moscardo, é um interlúdio da ópera A fábula do Czar Saltan. Passagem de extrema dificuldade técnica, autonomizou-se da cena em que Gvidon, filho do Czar, se deixa transformar num moscardo.
As cordas apressadas e zumbidoras ilustram precisamente esse momento. Talvez não haja, no entanto, relação mais aprofundada entre música e o mundo zoófilo do que O Carnaval dos Animais, composição tão lúdica e bem-humorada que Camille Saint-Saëns só permitiu a publicação integral póstuma, temendo que fragilizasse a sua reputação.

Orquestra Gulbenkian
Samuel Barsegian
 Maestro
Bin Chao Violino
Nikolai Rimsky-KorsakovO voo do moscardo
Camille Saint-SaënsO Carnaval dos Animais: “O Cisne”
Gioachino RossiniAbertura da ópera La gazza ladra
He ZhanhaoThe Butterfly Lovers Violin Concerto
retirado de: https://gulbenkian.pt/musica/evento/musica-dos-animais/?utm_source=facebook_post&utm_medium=social&utm_campaign=musica_Animais_20170508


https://www.youtube.com/watch?v=6MO25MV7awo

sábado, 22 de abril de 2017

A atração de Édipo ou uma revisão do conflito edipiano

Édipo, o príncipe que resolve o enigma da Esfinge...



Édipo e a Esfinge de Tebas, c. 470 a.C., Museo Gregoriano Etrusco, Vaticano
retirado de http://dimensaoestetica.blogspot.pt/2011/01/arte-e-os-enigmas-do-mundo.html

A Esfinge, monstro feminino, cabeça de mulher, corpo de leão e com asas de ave de rapina...


reirada de: http://www.britishmuseum.org/research/collection_online/collection_object_details.aspx?objectId=398995&partId=1

A Esfinge que assolava a cidade de Tebas devorava quem não soubesse responder ao seu enigma:

Qual é o ser que caminha ora com dois pés, ora com três pés, ora com quatro e que é mais fraco quando usa o maior número de pés?

Édipo responde:

É o Homem, porque o homem gatinha na sua primeira infância, depois desloca-se sobre dois pés e apoiado num bordão no declinar da vida.

Depois desta resposta, a Esfinge, derrotada, atira-se para o abismo do alto do rochedo onde se encontrava e Édipo entra triunfante na cidade grega de Tebas!

Grande e trágico Édipo! A caminho da glória e da perdição. Ignorante, como qualquer humano, do seu destino!!!


Ainda não se sabe bem porquê, mas encantada com tamanha inteligência e ousadia, a C. depois de se certificar se Édipo já se tinha casado com alguém, declara a sua intenção: «Mãe, quero casar com Édipo!!!». Felizmente, nós sabemos que as afeições infantis desta natureza NUNCA se mantêm. E que os casamentos ocorrem em idades muito mais tardias. 

Não comentamos o conflito edipiano e gostaríamos mesmo de saber se esta atração revelada por Édipo por parte de uma menina em início de fase de latência não seria razão suficiente para uma revisão do conceito psicanalítico. Afinal, o conflito de Édipo não terá de ser revisto à luz do que eu denominaria, influenciada por este que considero um case study, a atração pelo conhecimento? Afinal, Édipo, antes de ser aquele que comete um crime, é aquele que se apresenta como o que ousa desafiar a esfinge, aquele que confia em si ao ponto de arriscar a vida numa pergunta. Não é essa a melhor imagem daquele que é movido pela paixão do conhecimento? Não é essa a melhor imagem da humanidade? E essa ousadia, essa coragem não é profundamente atraente? Não foi por isso que a C. ficou encantada? 

segunda-feira, 17 de abril de 2017

TPC para avós distraídos



Desta vez o TPC é sobre

Yo-Kai Watch

Tarefa: Recolher informação relevante.

Yo-Kai Watch: a próxima paixão dos seus filhos

Título  de NOTÍCIA NO «OBSERVADOR» DE 22/4/2016, 22:23



Esta notícia é de abril, avó!!! Estavas distraída! Está bem... pronto! Atenuante... a notícia só fala de filhos! Devia dizer «a próxima paixão dos seus filhos e netos»!!!! Isso, sim! Era notícia!

Quando o J. me falou destes bonequinhos, lembrei-me dos Pokémon. Vá lá, vá lá, não foi mal lembrado...


«O fenómeno Yo-Kai Watch
Lançado em 2013, Yo –Kai Watch lembra, em muito, a série Pokémon, com as centenas de simpáticas criaturas para colecionar que possui. Apesar do conceito no papel parecer tétrico, em Yo-Kai Watch o protagonista tem um dispositivo que lhe permite ver Yo-Kai (os fantasmas ou assombrações do folclore japonês). Mas tendo em conta a larga experiência da LEVEl-5 no público infanto-juvenil, Yo-Kai Watch não tem nada de assustador no enredo, sendo quase todo o desenrolar da história de uma tremenda diversão.

Em Yo-Kai Watch conseguimos perceber que grande parte dos problemas quotidianos dos habitantes da pequena cidade japonesa onde vivemos se devem a assombrações. Entre a animosidade dos “nossos” pais que são causadas pela pobre Yo-Kai que tem saudades do namorado, passando por colegas de escola que não se conseguem concentrar devido à ação de um fantasma próximo, a nossa missão é quase a de um detetive juvenil, ao bom estilo dos livros do género que povoaram o nosso crescimento. Cabe-nos resolver os mistérios que circundam a cidade, combatendo os fantasmas que assombram os incautos habitantes.»


«Com uma série de animação a ser estreada em Portugal dia 16 de maio, através do canal Cartoon Network, é certo que o fenómeno que dominou comercialmente o Japão, e cujo sucesso se alastrou de imediato para o Ocidente com o lançamento do jogo nos EUA, terá o mesmo impacto na Europa. E nós que já andamos há semanas a jogar o jogo ininterruptamente podemos atestar: apesar do público-alvo de Yo-Kai Watch ser o infantojuvenil, existe aqui um tremendo potencial para ser jogado em família. Com mecânicas muito simples baseadas em minijogos no ecrã tátil ao bom estilo dos jogos de telemóvel, Yo-Kai Watch é acessível para qualquer jogador a partir dos 6 anos.»

retirado de http://observador.pt/2016/04/22/yo-kai-watch-proxima-paixao-dos-seus-filhos/

sábado, 1 de abril de 2017

A quadratura do círculo ou onde está o ninho que tem dentro os ovos de um passarinho?



Aposto que não adivinham!!!

Onde está o ninho??? 

Na sebe?

Numa árvore?

Longe de casa?

Nãão!

Foi uma descoberta surpreendente!

Vejam se adivinham com este video!


video

A ginástica que o avô anda a fazer! E não é só para tirar as fotos e fazer os filmes...

A dificuldade está em conseguir regar a flor e manter o ninho!!!

Mas ainda vai haver outro problema!!! E esse não sabemos se terá solução... ou melhor, se terá uma boa solução... Mas isso fica para outro post...

Ovos de Primavera ou surpresas de Rabirruivo



Sei de um ninho
ninho com 3 ovos

Sei de um ovo

Sei de outro ovo
No dia seguinte...4 ovos


De mais outro ovo




De mais outro ovo

Todos dentro do ninho


E nunca vi o passarinho



No dia seguinte...5 ovos

sexta-feira, 31 de março de 2017

DIA MUNDIAL DA POESIA

Foi há dez dias. Mas a poesia é de todos os dias.

Camões. Este ano elejo Camões! 

Verdes são os campos,
De cor do limão:
Assim são os olhos 
Do meu coração

Verts sont les champs,
Couleur citron:
Ainsi sont les yeux
De mon coeur.

Greens are the fields,
De colour of lemons:
So are the eyes
Of my love




Estas traduções foram retiradas da Wikipedia, a grande enciclopédia dos tempos modernos! O saber ao alcance de todos, ao alcance da mão, à distância de um click. Mas não me parece mal. Notemos o pragmatismo da língua inglesa que nos dispensa a interpretação do último verso. É da sua amada que Camões fala. Para quê disfarçar?

Camões, desenho de J., 8 anos
Esta ideia foi despoletada por este extraordinário desenho do J. 
E não é Camões o grande poeta conhecido pelo mundo inteiro? Pois, não dá nome a nenhum aeroporto, não se chama C. R. nem se sabe se alguma vez chutou numa bola (de trapos...)... Algum menino, hoje, sabe o que é uma bola de trapos???

retirado de http://angolainterrogada.blogspot.pt/2010/07/os-donos-da-bola.html

E como não podia deixar de ser, a música de Zeca Afonso a reforçar o lirismo do poema. Os pais dos meus netos aprenderam desde muito cedo esta canção. E os meus netos também. 

Deixo aqui a interpretação do Zeca e uma outra de que também gosto muito, a da Teresa Silva de Carvalho.






segunda-feira, 6 de março de 2017

sexta-feira, 13 de janeiro de 2017

O meu gato...

O MEU GATO PESSOAL E PRIVADO ESPECIALMENTE RESERVADO PARA MEU USO PARTICULAR

É este o título traduzido do livro que vai seguir para o J.



É muito difícil traduzir este livro, porque ele não conta simplesmente uma história mas faz uso dos sons da língua para construir sentidos e efeitos...


























Este livro só me levanta uma interrogação...
Como é que se escreve uma história inteira sobre um gato e ele nunca faz MIAU?

Então, eu acrescento:

Miau
Miau
Miaaauuu

em português, em inglês
em grego ou em francês
o meu gato
a minha gatinha
fazem

                             
 Miau, miau, miaaauuuu 
no quarto
na sala
ou na cozinha!!!




Cheguei atrasado à escola porque




Esta história é muito importante para podermos perceber a grande diferença entre as crianças e os adultos...



Formigas gigantes ao pequeno-almoço, canhões a disparar dentro da casa de um vizinho, ninjas ferozes que atacam meninos nas paragens do autocarro, bailarinas assustadoras, gorilas que confundem autocarros com bananas, toupeiras que raptam meninos que andam de skate, ser pequenino e ser gigante e ser normal outra vez, cair num lago no meio de um monstro-bolha peganhento,
elefantes que agarram meninos com a trompa e os passeiam em desfile, meninas de capuz vermelho que não sabem o caminho para a casa da avozinha,
ter muita fome e logo encontrar a casinha de chocolate no caminho,
ficar encantado atrás da flauta mágica (de Hamelin?),
ficar preso numa teia de aranha gigante, libertar-se com o cinto de engenhocas e logo encontrar o monstro Pé-Grande e o Abominável Homem das Neves a quererem uma fotografia,
sair do bosque e logo encontrar-se cercado por um rebanho de ovelhas e de patos,
receber o pedido do Presidente para ajudar a salvar o planeta de uma invasão de extraterrestres e receber como recompensa uma volta no seu avião particular,
estar quase, quase a chegar à escola e descobrir que se tinha esquecido da sua mochila, ter voltado a casa através da máquina do tempo...

NÃO SÃO BOAS RAZÕES PARA CHEGAR ATRASADO À ESCOLA? O QUE É QUE ISTO TEM DE ESTRANHO???

E não é que a professora o que tem para dizer é:

«Pois claro... e queres que eu acredite nesta história?»

Os adultos são mesmo pessoas esquisitas! É que não têm imaginação nenhuma!!!

Então, seria melhor dizer, simplesmente: «O despertador não tocou?»

Francamente!!!

terça-feira, 3 de janeiro de 2017

Se essa rua fosse minha

Uma das mais belas canções populares, em versão infantil!

Chega do Brasil, como o Sabiá...


Agora numa versão de Villa-Lobos (informação do youtube) com o som grave do violoncelo e a interpretação na voz de Ana Salvagni (que não conhecia). Hesitei entre esta e a da Maria Bethânia...


Cantiga D'embalar Avozinhas

Banda do Casaco, 1976. 40 anos tem este álbum. Dei a conhecer à C. e ao J.. A Morgadinha fez sensação. Dá para cantar e para pular. No carro, que é onde ouvimos este CD. O Fungagá foi ficando para trás...
A seguir à Morgadinha, a escolha recai na Cantiga D'embalar Avozinhas...

Mal sabia eu, há muitos anos, quando cantarolava a Morgadinha dos Canibais, que ainda havia era de aprender a Cantiga D'embalar Avozinhas...

A Morgadinha é a primeira, a Cantiga da Avozinha é a última...


Faz ó ó avozinha 
O papão foi-se embora
Avozinha já não chora






Isto é de avó, de filha, de neta...(que post tão longo, mas Lorca merece) (2)

http://avonews.blogspot.pt/2012/08/isto-e-de-avo-de-filha-de-neta.html

Esta publicação continua a de 2012 (foi só há 4 anos...)

Gosto da repetição. Das coisas que têm poder de renovação, que nunca nos cansam por mais que as ouçamos, que as leiamos. Das coisas que se preenchem de sentido cada vez que as revisitamos. Das coisas que não se esgotam com o tempo, antes se dilatam. Como o amor.

Descobri (nunca é tarde para as boas descobertas) esta interpretação de Sílvia Péres Cruz. Acho-a absolutamente única. Diria que esta é a interpretação. Este é o poema. Esta é a canção.


Hansel e Gretel


Quem não conhece a história da casinha de chocolate? Ou a história do João e da Maria? Ou a história de Hansel e Gretel? Pois é, são vários nomes para nos referirmos à mesma história. Desta vez, fomos assistir a uma versão cantada. Uma pequena ópera, pois. Em português, numa boa adaptação da responsabilidade de Alexandre Delgado e de Nuno Côrte Real. Desconheço se existe em CD ou em DVD, mas é uma pena se não existe ou se não vier a existir. A representação a que assistimos, numa sala repleta, conseguiu prender a pequenada. Este é o maior teste e esta representação passou-o com distinção!
Deixo aqui o cartaz que também tem uma bela imagem e o texto do programa. E já agora, a ópera original, do youtube, com legendas em inglês. Foi o que consegui arranjar!



Engelbert Humperdinck, discípulo e assistente de Wagner, é sobretudo famoso pela composição da ópera para crianças Hansel & Gretel (João e Maria), cujo libreto foi escrito pela sua irmã. A ópera, em três atos, conta a história de dois irmãos que se perdem na floresta, e são presos por uma bruxa má que os quer pôr no caldeirão para os cozinhar... Claro que estes dois irmãos, João e Maria, traquinas mas muito espertos, conseguem ludibriar a bruxa e inverter a situação, libertando uns outros tantos meninos também prontos para o caldeirão! O final, apoteótico e comovente, é feito com os meninos salvos cantando uma canção jubilante, festejando a libertação de todos e a alegria do amor e da amizade! Com o espírito natalício à porta, nada melhor que uma aventura deste tipo para nos preparamos para mais uma quadra festiva e familiar! E já agora, festejamos também o português cantado, numa belíssima versão portuguesa de Alexandre Delgado!
H. Humperdinck (1854-1921)
Hansel & Gretel - Ópera em três atos

Versão portuguesa de Alexandre Delgado
Nuno Côrte-Real, direção musical
Mário João Alves, encenação
Design de comunicação: 12.º PDTG da Escola Secundária Henriques Nogueira
Cenografia: 12.º G e H da Escola Secundária Henriques Nogueira
Figurinos: Curso Técnico de Apoio à Infância - Turma AI6 - 11.º ano da ESCO
Apoios: Coro Infantil da Escola de Música Luís António Maldonado Rodrigues; Classe de Dança da ILU
Patrocínios: International House e XPressYou
Atores:
Maria: Inês Simões
João: Patrícia Silveira
Bruxa: Patrícia Quinta
João Pestana/Fado do Orvalho: Paulina Sá Machado (pai), André Henriques (mãe).


segunda-feira, 2 de janeiro de 2017

28 Histórias para Rir mais uma e mais outra

A HISTÓRIA DO LOBO E DO CAPUCHINHO VERMELHO




     Era uma vez um lobinho a quem a mamã loba tinha dado um cestinho com bolos para levar à avó que estava doente, do outro lado da floresta. Mas a mamã loba avisou-o:
      - Lobinho, meu querido, deves seguir sempre pelo meio da floresta! Nunca te desvies. Nunca sigas pela estrada dos homens!
     Ora, o lobinho, assim que se viu sozinho, esqueceu-se das palavras da mãe e deixou-se encantar pelo movimento da grande estrada, pelos carros, pelas motos… Um condutor de um camião, pai de uma menina a quem todos chamavam «Capuchinho Vermelho», ao ver um lobinho sozinho, logo pensou que seria uma bela prenda para a sua filhinha! Parou, agarrou nele e levou-o para casa.

      - Oh, que lobinho tão fofinho! – exclamou o Capuchinho Vermelho quando o viu – Vais fazer-me companhia e ser o meu brinquedo favorito! E nem percebeu como o lobinho estava assustado. Assustado e apavorado. De tal modo, que quando apanhou a menina distraída, fugiu a sete pés (quer dizer, sete patas) enfiou-se pela floresta adentro, correu para casa da avó que estava à sua espera e nunca mais se esqueceu das palavras da mamã loba!

28 Histórias para Rir mais uma

A HISTÓRIA DO LÁPIS E DA BORRACHA



     Era uma vez um lápis que gostava muito de escrever. Andava sempre acompanhado de um bonito caderno com muitas folhas brancas, lisas e macias que faziam o seu encanto. Mas uma borracha, que o queria aborrecer, apagava tudo o que ele escrevia. Então, quando o lápis pensava que tinha chegado ao fim do caderno e não tinha mais onde escrever, descobriu que tinha muitas folhas livres!!! 
            Agradeceu à borracha e continuou a escrever!!!

28 Histórias para Rir

Este livro é bem divertido! As histórias têm finais inesperados, desenrolam-se de maneira imprevista e têm em comum fazer-nos sorrir!



Estamos convencidos que o J. vai gostar!!
E como o livro acaba com duas folhas em branco, achamos por bem acrescentar mais duas histórias da nossa lavra!! A História do Lápis e da Borracha e a História do Lobo e do Capuchinho Vermelho!
Mais uma surpresa para o J.