Google+ Followers

quinta-feira, 29 de junho de 2017

Menina a tocar violino







A primeira apresentação pública da C. enquanto aprendiz de violino foi no passado dia 16 de junho. Os avós não puderam estar presentes nessa altura devido a compromissos profissionais. Mas no dia 21 a pequena artista foi convidada para uma nova apresentação pública. Aí sim, os avós puderam ouvir boa música e ficarem encantados com aquela menina tão compenetrada a fazer sair de uma pequena caixinha um conjunto de sons mágicos que, acompanhados ao piano, soavam assim:



A letra associada a esta música, na geração atual, é esta:


Twinkle, twinkle, little star

How I wonder what you are

Up above the world so high
Like a diamond in the sky
Twinkle, twinkle little star
How I wonder what you are



When the blazing sun is gone

When he nothing shines upon
Then you show your little light
Twinkle, twinkle, all the night
Twinkle, twinkle, little star
How I wonder what you are


Eu, que sou da geração francófona, aprendi de outro modo:

Quand trois poules s'en vont aux champs
La première va devant
La deuxième suit la première
La troisième vient la dernière
Quand trois poules s'en vont aux champs
La première va devant








Uma duas d'argolinha

LENGALENGA


Uma duas d'argolinha
Põe o pé na pinculinha
O rapaz que jogo faz
Faz o jogo de capão
'Ch'ta cão Manel João
Diz à velha do cordão
que recolha o seu pezinho
Que recolha o seu pezão

Esta lengalenga é do avô. Eu não a conhecia.
Tem as características normais das lengalengas, incluindo aquelas palavras às quais davamos um sentido (ou não davamos nenhum) mesmo que o não tivessem. 
Lendo agora o que não é para ser lido e procurando entender o que é dito, surge-nos a dúvida quanto à palavra "pinculinha", bonita palavra! Diz aquele que foi criança que a "pinculinha" era a pontinha mais alta de um ramo de uma árvore. Diz o agora avô que "piculinha" deve ser uma deturpação de "pincarinha" (derivado de "píncaro"). 

sábado, 17 de junho de 2017

A que sabe a lua?




Há já muito tempo que os animais queriam averiguar a que sabia a lua...

Curiosos, hem???!!! E ousados!! A que saberia a lua??? Logo a lua, tão brilhante, tão longe, tão alto....
Mas que tentação... A que saberia a lua? Saberia a massa de bolo de arroz tão boa? Ou a chocolate? Ou a massinha? A carne? A peixe? A maçã? A banana?

A que saberia a lua?

Mas como, como lá chegar?


Está longe a lua, tão longe....

Mas talvez haja uma maneira de lá chegar e de conseguir prová-la. Haverá?

A tartaruga, vagarosa e resistente, há muito que matutava nisso! Há mesmo muito tempo, que tempo não era o seu problema! E resolveu lançar-se a caminho...
Mas... será que vai conseguir sozinha? Ou será que vai precisar de ajuda? 
Quem mais quererá chegar à lua, tocá-la, cheirá-la, prová-la?

Conseguirá a tartaruga saborear a lua?

Como? Como será isso possível?

Vamos  ouvir a história?

Neste vídeo encontramos a narrativa acompanhada de imagens.





E neste vídeo encontramos as imagens acompanhadas de música.




Quem não percebeu nada disto, e ainda hoje continua a não perceber, é o peixinho!



Bem, há sempre quem não perceba que desejar e alcançar o que se deseja é muito bom! Mesmo que para isso seja preciso muito esforço!
Ora tenta lá peixinho, tenta lá provar essa lua a ver se consegues!! Pois tu, que nem sequer pensaste alguma vez a que saberia lua, como te atreves a julgar aqueles que o desejaram e conseguiram???

Tens muito que aprender, peixinho, tens muito que crescer. Há mais mundo do que aquele que vês refletido nas tuas águas!!!