Google+ Followers

domingo, 25 de novembro de 2012

As meninas da ribeira do sado é que é

Tenho cá a impressão que a próxima vez que o J. cá vier ainda nos vamos divertir com esta canção e este video...
Alentejo de novo, agora com os Adiafa.

O pai J. deve lembrar-se...
Todos nos lembramos ( e também do nosso saudoso amigo que a cantava com tanta graça e de quem a aprendi...)

Aqui vai a letra:

Estala a bomba
E o foguete vai no ar
Arrebenta e fica todo queimado
Não há ninguém que baile mais bem
Que as meninas da ribeira do Sado


As meninas da ribeira do Sado é que é
Lavram na terra com as unhas dos pés

As meninas da ribeira do Sado
São como as ovelhas
Têm carrapatos atrás das orelhas


Era um daqueles dias bem chalados
Em que o sol batia forte nas cabeças
As meninas viram que eu estava apanhado
E disseram nunca mais cá apareças


Mas não fui e entretive-me a bailar com três
Queriam que eu fosse atrás no convés
Mas não fui e mandei-as irem dar banho ao meu canário
Que bateu as botas com dores num ovário


Estala a bomba
E o foguete vai no ar
Arrebenta e fica todo queimado
Não há ninguém que baile mais bem
Que as meninas da ribeira do Sado


As meninas da ribeira do Sado é que é
Lavram na terra com as unhas dos pés

As meninas da ribeira do Sado
São como as ovelhas
Têm carrapatos atrás das orelhas


Têm carrapatos, têm carrapatos, têm carrapatos, têm carrapatos,
têm carrapatos, têm carrapatos, têm carrapatos, têm carrapatos,
têm carrapatos, têm carrapatos, têm carrapatos, têm carrapatos,
têm carrapatos atrás das orelhas!



E o divertido video

Rouxinóis, caracóis e bichos móis



Como há muito tempo que não dou notícias

Só para que não pareça que este blog está esquecido





CANCIONEIRO DE SERPA
http://www.joraga.net/gruposcorais/pags09_pautas_09_CSerpa_MRitaOPC/0482_CdeSerpa_MRitaCortez_p148_050_passarada.htm


Canção renovada na voz do Vitorino e do Janita Salomé.

É divertida e acho que o J. vai gostar.

Então, aqui vai


Namorei uma rapariga,
"Pares de meias
Nem me dês!"

Quais, quais, oliveiras, olivais
Pintassilgos, rouxinóis,
Caracóis, bichos móis,
Morcegos, pássaros negros,
Tarambolas, galinholas,
Perdizes e codornizes,
Cartaxos e pardais,
Cucos, milharucos,
Cada vez há mais.

Calçasse eu as que calçasse,
Sempre tinha frio nos pés.

Quais, quais, oliveiras, olivais
Pintassilgos, rouxinóis,
Caracóis, bichos móis,
Morcegos, pássaros negros,
Tarambolas, galinholas,
Perdizes e codornizes,
Cartaxos e pardais,
Cucos, milharucos,
Cada vez há mais.