Google+ Followers

segunda-feira, 30 de julho de 2012

Uma canção sem música

Acho que esta é mesmo uma canção infantil! É do José Barata-Moura e creio que deve ser do Fungagá da Bicharada.
Quando a descobrir no Youtube ou a conseguir fazer ouvir não perderei tempo! Entretanto fica a letra.
Quem sabe trauteia, quem não sabe... inventa e vê os bonecos!
É que lembrei-me dela ontem e cantei-a à C.!


O pato quá quá quá                                                                        

O grilo gri gri gri                       

O pássaro piu piu

E o cão ão ão

Resolveram fazer esta canção



Quá quá quá quá quá                                   

gri gri gri gri gri                            








piu piu



                                                                 
Ão Ão

sexta-feira, 27 de julho de 2012

Onde há uma avó, há um avô...

Este livro foi uma oferta do J, para o avô.
Todos os dias são dias bons para oferecermos livros a quem gostamos e que gostam deles...







E... surpresa das surpresas! No final - contra o que é habitual, pois então - estava este miminho...


quinta-feira, 26 de julho de 2012

Dia Mundial dos Avós

Vivemos numa sociedade em que quase cada dia é um dia de...
Dia 26 de Julho parece ser o Dia dos/para os Avós. Só há pouco tempo comecei a ouvir falar desse dia e, embora tenha muitas objecções acerca de todos esses ditos dias, hoje sabe-me bem pensar no significado de ser avó.
E começo a sentir-me um elo, que desejo que seja importante, para os novos elementos que acabam de chegar e que fazem crescer essa rede de afectos a que chamamos família.
E sinto-me grata
A minha avó, que me fez desejar ser como ela (a que distância estou, meu Deus, a que distância..)
A meu Pai, cuja ternura descobri através do olhar, dos gestos, do sorriso que os netos lhe deixavam no rosto
A minha Mãe, pela qual descobri o significado da contingência da vida e entendi os disfarces do sofrimento, a força que pode ter um passado cristalizado em memórias, em papéis a preto e branco cujo peso, sentido e afecto só a ela se revelam
A meu Marido, o homem que me amou desde sempre por inteiro, com tudo o que eu era. Nesse tudo estavam já duas crianças que eu amava e me pertenciam, não como uma forma de ter, mas como uma parte do meu ser
A meus Filhos, aos que já pertencem também a uma nova família e ao que adquiriu o estatuto de Tio...
Ser Mãe foi  - é - um desafio, uma procura de fazer bem sem saber o que é o bem...
Ser Avó é o meu novo recomeço

A meus netos
porque eles são a celebração da vida
a irrupção da alegria

Por eles, descubro que sou mais do que eu própria


Hoje quero ouvir uma música que atravessa gerações

Escolho Vivaldi

Primeiro o Verão, em homenagem ao J.





Agora a Primavera, em homenagem à C.


terça-feira, 24 de julho de 2012

Madagáscar 3


Há já muito tempo, era o J. pequenino, ouvi-o cantar uma canção que desconhecia (a grande vantagem de ter filhos e netos é não ficar permanentemente no século passado...). Essa canção está neste blog, quase no princípio, e fiquei a saber que pertencia ao filme Madagáscar. Agora, ouvir falar deste filme alerta-me os sentidos...
Calculo que o J. vai gostar de ouvir de novo esta canção que ele sabe tão bem...





E vai gostar de ouvir um pouco do filme em português e




Em francês, pois então!!!





Quais as vozes mais bonitas???

Se me perguntassem, eu diria que eram as portuguesas... mas estou a ser tendenciosa...

segunda-feira, 2 de julho de 2012

Ah Ah Ah minha Machadinha

Cantei ontem pela primeira vez à C.



Vendo bem, e pensando no comentário ao post anterior, que raio de título é este?
E crianças com machados (uma machadinha deve ser um machado pequenino...)
E atirarem os machados pelo ar?! Mas que é isto????