Google+ Followers

quinta-feira, 11 de agosto de 2011

Branca de Neve revisitada ( 1 )

Todos os que um dia foram meninos, todos os que agora são meninos, todos conhecem a história da Branca de Neve e dos Sete Anões... Pois, essa mesmo que conta assim:
Era uma vez uma menina. Uma menina muito bonita. Vivia com o pai e a madrasta. A madrasta, mulher muito bonita e que percebia de bruxarias, tinha um espelho mágico. Todas as manhãs a madrasta perguntava ao espelho mágico:
- Espelho, espelho meu, há no mundo alguém mais belo do que eu?
E o espelho respondia sempre:
- Não há no mundo ninguém tão belo como tu... a não ser a Branca de Neve!
Cada dia que passava a madrasta ficava mais furiosa. Até que pensou numa maneira de fazer desaparecer a Branca de Neve (ah, já me esquecia de dizer que Branca de Neve era o nome desta menina por causa da sua pele tão branca que contrastava com o negro dos seus cabelos). Chamou um dos seus criados e ordenou-lhe que levasse a Branca de Neve até à floresta e, num sítio onde ninguém visse, a matasse. Como prova do seu acto, teria de lhe trazer o coração da menina.
Assim aconteceu, apenas com uma diferença: o criado não matou a Branca de Neve! É que achou isso uma acção tão má que não foi capaz de a fazer. Quando chegaram a um sítio da floresta onde não havia ninguém, onde só se ouvia o vento e o barulho dos seus passos na folhagem, o criado contou à Branca de Neve a ordem que a madrasta lhe tinha dado. Perante o seu olhar assustado, o criado apressou-se a dizer-lhe:
- Branca de Neve, não tenhas medo. Apenas vou ter de te deixar sozinha nesta floresta. Mas tenho a certeza que irás encontrar um abrigo e que nenhum mal te acontecerá.
E foi-se embora rapidamente para que a menina não visse as suas lágrimas a quererem saltar por ter de a deixar assim. Também tinha de rapidamente encontrar um animal para lhe tirar o coração e levar à madrastra. Sábia nas coisas da bruxaria e da maldade, mas ignorante nas coisas da vida e da natureza, não iria dar pela diferença...
A Branca de Neve foi andando, andando, andando...                                
(continua)

Sem comentários:

Enviar um comentário