Google+ Followers

quarta-feira, 7 de agosto de 2013

Schtroumpfs, Estrumpfes, Smurfs...

Este mês estreou nas salas de cinema um novo filme de animação The Smurfs 2, se não erro no título. De qualquer modo, parece certo que o nome não é o original e a produção e realização é norte-americana. O J. anda todo entusiasmado, pois estes pequeninos seres azuis já fazem parte das suas brincadeiras, tal como, em menor escala, fizeram parte das do seu pai e tios. A verdade é que os Estrumpfes (acho que era assim que se traduzia em Portugal, pelos anos 80, o original Schtroumpfs) ...
           são da minha idade!

Como se lê nesta notícia do DN, de há dois anos, a propósito da exposição sobre Pierre Culliford, belga (como não podia deixar de ser!), em Paris:

«Peyo, aliás, Pierre Culliford, é conhecido como o criador dos Estrumpfes, mas a exposição que lhe é dedicada em Paris pretende revelar toda a riqueza do universo gráfico de um dos grandes autores da banda desenhada.

 
A páginas tantas da grande exposição retrospectiva da obra gráfica de Peyo, patente até ao próximo dia 30 no Hôtel Marcel Dassault, em Paris, o visitante depara, no meio de vários objectos pessoais e material de arquivo do criador de Johan e Pirluit e dos Estrumpfes, com a asa de um pássaro.
A explicação para a presença de tão insólito objecto entre os pertences do autor belga de banda desenhada é simples. Peyo usava a asa para limpar do estirador os fiapos das borrachas com que apagava os seus desenhos.
A Artcurial, responsável pela organização da exposição, pretende mostrar aos que identificam Peyo apenas com os Estrumpfes, e aos que conhecem estas personagens só da animação televisiva, toda a riqueza da sua obra, já que, segundo Éric Leroy, o seu comissário, "é terrivelmente redutor" confinar Peyo ao universo dos duendezinhos azuis e aos seus desenhos animados.
Ele era "um desenhador meticuloso e perfeccionista, bem como um imenso argumentista", mas a imediata e imensa popularidade dos Estrumpfes, a sua projecção mundial e o seu gigantesco sucesso comercial, acabaram por monopolizar Peyo e empurraram para segundo plano ou cancelaram as suas outras criações. Nomeadamente a genial série Johan e Pirlouit, ambientada numa Idade Média onde o fantástico se manifestava mas nem por isso fazia Peyo descurar o rigor histórico com que a concebia. Era a série favorita do autor, mas acabou por ser a principal vítima do triunfo dos Estrumpfes.
(Ironicamente, os Estrumpfes fizeram a primeira aparição numa aventura de Johan e Pirlouit, La Flûte à Six Schtroumpfs, em 1958).
............................................................................................................................................................
(Para continuara ler, consultar http://www.dn.pt/gente/interior.aspx?content_id=1946922&page=-1)

Pois Schtroumpfs, Estrumpfes, Smurfs e, já agora...Azulitos? Se é ao gosto do freguês, não vejo por que não. Para mim, são os Azulitos.
Em português (do Brasil) e em francês, o episódio «O ovo mágico». Espero que o J. goste. E que a C. e o T. venham a gostar...




 

Sem comentários:

Enviar um comentário