Google+ Followers

terça-feira, 20 de agosto de 2013

ó ró-ró

Esta também a conheço como canção de embalar. Encantadora. Nossa.
Já a devo ter cantarolado aos meus netos e sem ser aos meus netos. Descomprometidamente. Sem letra de jeito, apenas «o ró-ró que agora ó ó ró-ró» (na minha mui livre interpretação)...
 
Não consigo passar para aqui o video, mas fica aqui o link da versão recolhida por Giacometti de que gosto muito.
 
 
A  versão da Né Ladeiras também é muito bonita, mas não embala tanto...
 
 
 
 
Cum ró-ró pego no nino

Cum ró-ró "xê bai dromindo".

Ó ró-ró, ó ró-ró que agora non!

Cum ró-ró pego no nino

Cum ró-ró "xê dromirá".

Ó ró-ró, ó ró-ró que agora non!


 

2 comentários:

  1. Ai, sou muito citadina:) prefiro a Né Ladeiras que é uma voz que sim senhor.

    E deixa-te disso. Os teus improvisos são bem melhores que muita canção a sério. O sentimento com que os amassas vale tudo. Além do que, bem o sabes, gosto da tonalidade da tua voz. E não sou só eu a gostar. Portanto, a tua voz deve ser verdade. Das altas. Das mais.

    ResponderEliminar
  2. A verdade é passível de graus.Acho que isso é um certo demérito para a ideia. Mas, paciência! As verdades humanas são assim mesmo e, como não temos outras, rendamo-nos...

    ResponderEliminar