Google+ Followers

terça-feira, 7 de agosto de 2012

Tanto mar II

Sempre o mar...
Não sei o que a C. pode ter sentido! Ainda não detém o poder das palavras...



Cada vez que vejo o mar imenso vem-me sempre à memória a exclamação do J.

Tanto Mar!


Este mar eterno e imenso

E lembro uma canção cantada por Amália dita «Canção do Mar», depois de ter sido «Solidão»...

As imagens são deste preciso mar que o J. e a C. contemplam...
deste mar frio e agreste do Oeste...

 (o autor deste belo filme - que bom o preto e branco! - escolheu para Amália a praia, o mar e o vento de Santa Cruz e Peniche...)
Não resisto em a colocar aqui, apesar de não ser uma canção infantil, embora não possa jurar que não a venha a trautear muito em breve para os meus netos. Há muitos modos de a cantar e ninguém (muito menos eu!) consegue dar toda a carga de emoção que vem da voz única de Amália.

1 comentário:

  1. Mar rima com solidão; e com o que em nós é mais solitário. O si mesmo de Amália é tão outro, que único. Mas a tua voz também é muito única :) e bem sabemos, que se uma criança dança com Cohen, pode amar a voz da avó a cantar o que for. Porque tem tom de avó. E é só o que importa :)E tu tens um bocadinho voz de onda.

    ResponderEliminar