Google+ Followers

segunda-feira, 6 de agosto de 2012

Isto é de avó, de filha, de neta...(que post tão longo, mas Lorca merece)

A C. tem um hábito curioso... ouve Cohen à hora do banho. A sua mamã acha que a filha deve ouvir desde cedo a música que se ouve lá em casa, quer dizer, as músicas que a mamã gosta. A semana passada a C. passou uns dias com a sua avó e, claro, os hábitos são para se manter! à hora do banho, lá estava o CD a girar e o Cohen a cantar. Antes de a música se ouvir lá começava a C. a dançar e só depois do rabinho a dar a dar e dos bracinhos no ar estava apta a ir para o banho! E de manhã o mesmo ritual! Acho extraordinário dançar com o Cohen, mas é claro que para a C. Cohen a cantar Garcia Lorca é exatamente igual a qualquer um a cantar a Oliveirinha da Serra (que já aqui coloquei)e quejandos. E Valsa, Vira, Fandango, Tango... é tudo igual. Nesse aspecto, é muito parecida com a avó! 
Visto isto, tenho que deixar aqui Cohen a cantar Take this Waltz (a primeira música do CD). E o que eu aprendi, querida C., enquanto procurava o video! Depois de conhecer esta música há anos, há mais anos do que a tua querida mamã, é que vim a saber (até coro!) que se tratava de uma homenagem ao grande poeta Federico Garcia Lorca (de que tanto gosto). Pois é! Há muito que tinha descoberto como era bom ter filhos, pois são fontes permanentes de aprendizagem! Acho até que os trabalhadores com filhos de adolescente para cima, deviam estar dispensados de acções ditas de formação, ditas de actualização!!!

O primeiro Video, ao que parece promocional, e com alguma polémica à mistura (informação do youtube).




E agora, esta descoberta espantosa (descoberta para mim, claro)! Aliás, com este blog tenho confirmado que a minha ignorância é como a crise portuguesa: um poço sem fundo e sem fim à vista! 
Ana de Belén a cantar em espanhol. Não consigo fazer comparações. Esta é outra canção. Tão bela como a primeira. Com a vantagem da pronúncia espanhola que eu adoro no canto!


E, podendo acompanhar o belíssimo castelhano (Te quiero, te quiero, te quiero)  resolvo deixar a letra (uma adaptação do original) e também o poema original na tradução portuguesa do nosso maior tradutor da língua castelhana, José Bento (Federico García Lorca, Antologia Poética, Lisboa, Relógio D'Água, 1993, p. 339). É claro que apesar de tudo, a tradução fica muito aquém do original!

En Viena hay diez muchachas,
un hombro donde solloza la muerte
y un bosque de palomas disecadas.
Hay un fragmento de la mañana
en el museo de la escarcha.
Hay un salón con mil ventanas.

¡Ay, ay, ay, ay!
Toma este vals con la boca cerrada.

Este vals, este vals, este vals, este vals,
de sí, de muerte y de coñac
que moja su cola en el mar.

Te quiero, te quiero, te quiero,
con la butaca y el libro muerto,
por el melancólico pasillo,
en el oscuro desván del lirio,
en nuestra cama de la luna
y en la danza que sueña la tortuga.

¡Ay, ay, ay, ay!
Toma este vals de quebrada cintura.

En Viena hay cuatro espejos
donde juegan tu boca y los ecos.
Hay una muerte para piano
que pinta de azul a los muchachos.
Hay mendigos por los tejados,
hay frescas guirnaldas de llanto.

¡Ay, ay, ay, ay!
Toma este vals que se muere en mis brazos.

Porque te quiero, te quiero, amor mío,
en el desván donde juegan los niños,
soñando viejas luces de Hungría
por los rumores de la tarde tibia,
viendo ovejas y lirios de nieve
por el silencio oscuro de tu frente.

¡Ay, ay, ay, ay!
Toma este vals, este vals del "Te quiero siempre".

En Viena bailaré contigo
con un disfraz que tenga
cabeza de río.
¡Mira qué orillas tengo de jacintos!
Dejaré mi boca entre tus piernas,
mi alma en fotografías y azucenas,
y en las ondas oscuras de tu andar
quiero, amor mío, amor mío, dejar,
violín y sepulcro, las cintas del vals.

(A letra copiei daqui http://www.youtube.com/watch?v=J89QW7TYqyE&feature=related)



PEQUENA VALSA VIENENSE

Em Viena há dez raparigas,
um ombro onde a morte soluça
e um bosque de pombas dissecadas.
Há um fragmento da manhã
no museu da geada.
Há um salão com mil janelas.

Ai, ai, ai, ai!
Toma esta valsa com a boca fechada.

Esta valsa, esta valsa, esta valsa,
de sim, de morte e de conhaque
que molha sua cauda no mar.

Quero-te, quero-te, quero-te,
Com a poltrona e o livro morto,
pelo tristonho corredor,
no sótão escuro do lírio,
na nossa cama da lua
e na dança que sonha a tartaruga.

Ai, ai, ai, ai!
Toma esta valsa de quebrada cintura.

Em Viena há quatro espelhos
onde brincam tua boca e os ecos.
Há uma morte para piano
que pinta de azul os rapazes.
Há mendigos pelos telhados.
Há frescas grinaldas de pranto.

Ai, ai, ai, ai!
Toma esta valsa que morre em meus braços.

Porque eu quero-te, quero-te, meu amor,
no sótão onde brincam as crianças,
sonhando velhas luzes da Hungria
pelos rumores da tarde morna,
vendo ovelhas e lírios de neve
no silêncio escuro de tua fronte.

Ai, ai, ai, ai!
Toma esta valsa do "Quero-te sempre".

Em Viena dançarei contigo
com um disfarce que tenha
cabeça de rio.
Olha que margens tenho de jacintos!
Deixarei minha boca entre as tuas pernas,
minha alma em fotografias e açucenas,
e nas ondas escuras de teu andar
quero, meu amor, meu amor, deixar,
violino e sepulcro, as fitas da valsa.

1 comentário:

  1. Não concordo muito contigo sobre a formação de quem tem filhos adolescentes. De quem tem filhos, digamos. A atitude de aprender não está em muitos pais e avós;ou não coisa nenhuma dessas. Digo como Sócrates. É preciso o inconformismo que, benévola e humilde, imaginas comum.
    As duas cançõs são lindas. Obrigada. Também não conhecia a versãp espanhola. Quanto ao resto, ter um espírito da revolução dentro de casa dá-me a conhecer algumas nebulosas do meu parco entendimento:)
    biépi

    ResponderEliminar